Dispositivo é essencial para garantir a segurança dos circuitos elétricos

A imagem mostra um quadro de passagem da Astra aberto. Ele é branco e fabricado em plástico. No interior dele, é possível ver alguns tipos de disjuntor, também da Astra, montados. Eles possuem interruptores azuis e estão todos ligados, voltados para cima.

Alguns itens elétricos são indispensáveis para o bom funcionamento das instalações de casas e apartamentos e esse é o caso dos disjuntores.

Esses dispositivos são essenciais para garantir a segurança do sistema elétrico das residências em casos de sobreaquecimento ou de curtos-circuitos e estão disponíveis em diferentes modelos.

Os diversos tipos de disjuntor devem ser ligados às fases dos circuitos para evitar acidentes no sistema elétrico da residência. Assim, não é necessário instalá-los em condutores neutros ou terra

Por serem fundamentais para o dia a dia das casas, você deve se atentar a alguns detalhes quando for escolher o melhor tipo de disjuntor para a sua residência.

Assim, é possível identificar qual modelo atende todas as necessidades da sua casa ainda no momento da reforma ou construção e evitar problemas no futuro.

Além disso, se o disjuntor da sua casa está apresentando algumas falhas, o eletricista pode identificar defeitos durante a manutenção elétrica e observar que está na hora de trocar o dispositivo.

Precisa de algumas dicas para escolher o melhor tipo de disjuntor para a sua casa? Separamos uma lista que vai te ajudar. Confira a seguir!

Como escolher os melhores tipos de disjuntor?

Se você está procurando por um modelo de disjuntor ideal para a sua casa, já percebeu que existem diversas opções disponíveis no mercado, né?

Antes de comprar qualquer modelo, é importante observar o número de polos do disjuntor, os tipos de proteção que ele oferece e quais são as curvas de atuação de cada modelo.

Para te ajudar nessa tarefa, separamos três características principais dos tipos de disjuntor e que devem ser avaliadas para encontrar o melhor dispositivo para a sua casa.

1. Número de polos

A distribuição de energia para as residências pode ser feita por meio de sistemas monofásicos, bifásicos ou trifásicos. Por isso, verificar o número de polos do tipo de disjuntor é a primeira etapa para comprar o ideal para a sua casa.

Essa característica deve ser correspondente ao número de fases de energia que a casa recebe. Assim, você pode comprar disjuntores unipolares, bipolares ou tripolares para garantir a segurança do sistema elétrico.

Disjuntor unipolar

Os disjuntores unipolares devem ser utilizados para proteger o sistema elétrico de casas que possuem apenas uma fase de energia e um circuito neutro.

Os dispositivos devem ser ligados somente na fase única de energia do circuito. Dessa maneira, o disjuntor desarma assim que identificar sobreaquecimentos e sobrecorrentes no sistema elétrico, evitando panes.

A imagem mostra um dos tipos de disjuntor branco da Astra. Nele, é possível ver um interruptor azul com a inscrição “off”.
Os disjuntores unipolares, também chamados de monopolares, são instalados em casas que possuem apenas uma fase.

Disjuntor bipolar

O disjuntor bipolar deve ser instalado em casas com sistema bifásico, ou seja, que possuem duas fases de energia.

Na hora de instalar esse tipo de disjuntor ao circuito elétrico, é importante ligá-lo às duas fases, deixando de fora da instalação os fios neutros ou terra.

Disjuntor tripolar

Esse tipo de disjuntor é ideal para casas com sistemas trifásicos, que recebem três fases de energia.

Por isso, o disjuntor tripolar deve ligar as três fases de energia, garantindo a segurança de todo o sistema da casa.

A imagem mostra um disjuntor tripolar da Astra. Ele é branco e, na parte da frente, é possível ver um interruptor azul que liga e desliga os três polos do dispositivo
Os disjuntores tripolares ligam as três fases de energia da casa e protegem a instalação de acidentes.

2. Tipo de proteção

Outra característica que diferencia os tipos de disjuntor é a forma como os dispositivos protegem o sistema elétrico das residências.

No mercado, você encontra disjuntores com proteção térmica, magnética ou termomagnética.

Para não ficar em dúvida, separamos as vantagens que cada um deles proporciona.

Disjuntor térmico

O disjuntor térmico é utilizado para proteger os circuitos elétricos em casos de sobreaquecimento, que são ocasionados por conta das sobrecargas no sistema.

Esse tipo de disjuntor precisa de um tempo maior para identificar as sobrecargas e desarmar. Isso acontece porque a atuação do disjuntor térmico depende do aquecimento do cabo.

Além disso, esse modelo de dispositivo não desarma quando há curtos-circuitos no sistema elétrico. Por isso, ele não é o mais recomendado para usar na sua residência.

Disjuntor magnético

O disjuntor magnético é instalado para proteger os sistemas elétricos da casa contra sobrecorrentes, que são ocasionadas por curtos-circuitos.

Diferente do modelo com proteção térmica, esse tipo de disjuntor desarma rapidamente, pois funciona baseado no princípio eletromagnético. Assim, quando a corrente elétrica é maior do que deveria, o equipamento identifica instantaneamente e interrompe o circuito.

Porém, o disjuntor magnético não consegue identificar o sobreaquecimento nos cabos do circuito. Dessa forma, ele desarma apenas quando há curtos-circuitos na instalação elétrica.

Disjuntor termomagnético

Esse tipo de disjuntor é a junção dos modelos com proteção térmica e magnética. Por isso, a tecnologia do disjuntor termomagnético é capaz de identificar curtos-circuitos e sobreaquecimento nos cabos.

Dessa forma, o dispositivo termomagnético desarma nos dois casos e proporciona mais proteção à instalação elétrica do que os disjuntores térmicos ou magnéticos. 

Por causa dessa característica, esse tipo de disjuntor é o mais recomendado para instalar nas residências.

Todos os tipos de disjuntor vendidos pela Astra – unipolares, bipolares e tripolares – são termomagnéticos. Assim, você pode escolher o melhor para a sua casa.

A imagem mostra um disjuntor bipolar da Astra. Ele é branco e possui um interruptor azul, que liga e desliga os dois polos do dispositivo.
Os tipos de disjuntor da Astra proporcionam mais segurança, pois identificam sobreaquecimentos e curtos-circuitos.

3. Curvas de atuação

A curva de atuação é outro ponto importante e que você deve prestar atenção na hora de escolher um dos tipos de disjuntor.

Ela é a responsável por garantir que o disjuntor desarmará quando o sistema elétrico atingir correntes maiores do que as suportadas pelo dispositivo em um intervalo de tempo muito pequeno.

No mercado, estão disponíveis disjuntores com três tipos de curvas e cada uma possui características diferentes. Dessa forma, você deve se atentar para escolher o que é mais recomendado para a sua casa.

Curva B

Os disjuntores com curva B possuem curva de ruptura entre três e cinco vezes maior que a corrente nominal do dispositivo de segurança. Ou seja, ele desarmará se o circuito elétrico atingir uma corrente de três a cinco vezes mais alta do que a corrente do disjuntor.

Se você instalar um disjuntor que possui corrente nominal de 10A, por exemplo, ele desarmaria sempre que identificasse uma corrente instantânea de 30A a 50A.

Esse tipo de disjuntor é indicado para proteger cargas resistivas com baixa corrente de partida, como chuveiros, lâmpadas incandescentes e tomadas.

Curva C

Esse tipo de disjuntor possui uma corrente de ruptura de cinco a dez vezes maior que a corrente nominal do próprio disjuntor.

Assim, se o seu disjuntor em corrente nominal de 10A, ele só desarmará ao identificar correntes instantâneas entre 50A e 100A.

Por suportarem correntes mais altas, os disjuntores de curva C são indicados para cargas com média corrente de partida, como é o caso dos reatores de lâmpadas fluorescentes e de motores elétricos de baixa potência.

Esse tipo de disjuntor atende todas as necessidades de uma residência, pois protegem a instalação elétrica de itens mais simples, como lâmpadas e tomadas, e dos que consomem mais energia, como motores de baixa potência.

Pensando nisso, todos os tipos de disjuntor vendidos pela Astra possuem curva C.

Assim, você garante a segurança que a instalação elétrica da sua casa precisa. 

A imagem mostra alguns disjuntores da Astra montados em um quadro de passagem. Todos eles estão com os interruptores azuis ligados, voltados para cima.
Independente da quantidade de polos, os disjuntores da Astra possuem curva C e desarmam quando identificam correntes de cinco a dez vezes mais altas que a amperagem.

Curva D

Os dispositivos de curva D possuem curva de ruptura ainda maior, de dez a 20 vezes do que a corrente nominal do disjuntor.

Por isso, o disjuntor de 10A só desarma quando há corrente instantânea entre 100A a 200A.

Esse tipo de disjuntor é indicado para proteger cargas de alta corrente de partida, como aparelhos de solda e motores elétricos de alta potência.

Por que é importante dimensionar corretamente o disjuntor?

Dimensionar corretamente os cabos de todos os tipos de disjuntor é essencial para eles funcionarem corretamente.

Se o disjuntor for dimensionado para uma corrente menor do que a projetada para o circuito, ele pode desarmar indevidamente com frequência, como ao ligar o chuveiro.

E se o disjuntor estiver dimensionado para uma corrente acima da que projetada no circuito, ele pode não desarmar quando deveria.

Assim, em casos de curtos-circuitos ou sobreaquecimentos, os cabos e equipamentos elétricos podem ficar comprometidos.

Por isso, sempre que você for trocar os equipamentos elétricos da sua casa, é importante se atentar aos cabos e disjuntores que são utilizados para ligar esses itens.

Dependendo da diferença de potência entre esses equipamentos, é possível que você precise trocar os cabos e disjuntores do circuito elétrico. Nesses casos, é essencial que um eletricista faça a avaliação para dimensionar corretamente o disjuntor.

Com isso, você garante que o escolherá o tipo de disjuntor ideal e que ele funcionará corretamente.

Quer saber mais sobre a segurança do sistema elétrico da sua casa? Conheça o dispositivo DR e entenda para que serve!